Empresas: (11) 3569-3971 | Candidatos: (11) 9895-77356   | E-mail: habittus@habittus.com.br


BLOG CATEGORIAS








ARTIGOS E

COMENTÁRIOS

     Vídeos
     Habittus Gente&Gestão










Sugerir Tema para o Blog

Nome
Sugestão de Tema

 
  • Artigos

    Data: 30/10/17  hora: 10:42:44



O que podemos aprender com Napoleão Bonaparte sobre contratação de funcionários?

Fábio Koabayshi

Foto de exibição

 

Napoleão Bonaparte, francês, líder político e militar, pai do código Napoleônico que teve grande influência na legislação de vários países e responsável por estabelecer a hegemonia francesa sobre a maior parte da Europa tem muito a ensinar a você empresário, ao menos no quesito funcionário ou no caso dele, soldado.

            A busca por bons funcionários em qualquer segmento é a realidade do nosso mercado de trabalho. Em um universo frequentemente mutável, é inevitável que pessoas e processos sejam constantemente testados a desempenhar sua melhor performance.

            Se seus funcionários e gerentes não se preparam para tal, é possível que em breve você também será forçado a “sair à rua” para buscar outro profissional.

            É mais comum do que se imagina um “time de vendas” na segunda metade do mês estar longe de alcançar a meta estabelecida.  Neste período a pressão para entrega do resultado sobe, aumentam-se as horas extras, a produtividade e qualidade do trabalho caem e o desgaste físico e emocional superam os “limites humanos”.

            E quando termina o mês sem a meta alcançada, veem a frustração e o desânimo. A equipe tenta passar uma borracha no mês passado e seguir adiante, buscando “ganhar” o que foi perdido no mês anterior. 

            Correto?

            NÃO.

            Se lá atrás, na contratação do seu funcionário tivesse sido feita de forma mais assertiva e com a ajuda de um profissional da área, o resultado no fim do mês poderia ter sido diferente.

            Se a seleção do novo colaborador tivesse sido focada no cargo/ função a ser desempenhada talvez seus resultados seriam melhores.

            Voltemos ao Grande Napoleão Bonaparte.

            Como um dos maiores líderes mundiais Napoleão, tinha a visão detalhada e bem definida das posições e funções que seus soldados (subordinados) deveriam desempenhar.  Como o comandante máximo do exército francês, soube escolher minuciosamente seus soldados?

            Como?

            Napoleão baseava-se em 4 pilares.

            O primeiro pilar eram os inteligentes com iniciativa;

            O segundo, os inteligentes sem iniciativa;

            Os ignorantes sem iniciativa formam o terceiro pilar;

            E os ignorantes com iniciativa completavam o quarto.

            Aos inteligentes com iniciativa, Napoleão dava as funções de comandantes gerais, estrategistas. Os inteligentes sem iniciativa ficavam como oficiais que recebiam ordens superiores e as cumpriam com diligência. Os ignorantes sem iniciativa eram colocados à frente da batalha - buchas de canhão, como dizemos.  Os ignorantes com iniciativa, Napoleão odiava e não queria em seus exércitos.

            Pense bem.

Um exército só de generais estrategistas por certo não vencerá batalha alguma.

Alguém tem que estar no front.

Obedientes oficiais (diretores, gerentes) sem estratégia também não venceriam uma guerra.

Soldados (funcionários) dedicados, sem comando, sem chefia, sem direcionamento, também não trazem sucesso à batalha.

Portanto, precisamos dos três tipos de soldados para vencer uma batalha, assim como dos três tipos de colaboradores para que possamos vencer os desafios do mercado competitivo em que vivemos.

Essa grande sabedoria de Napoleão serve também para a nossa empresa.

Será que temos em nosso "exército napoleônico", que é a empresa de hoje, esses três tipos de "soldados"? E não serão todos necessários?

Mas, assim como Napoleão, devemos nos livrar, o mais rapidamente possível, dos ignorantes com iniciativa. Um ignorante com iniciativa é capaz de fazer besteiras enormes. Um ignorante com iniciativa faz o que não deve, fala o que não deve e até ouve o que não deve. Um ignorante com iniciativa nos faz perder bons clientes, bons fornecedores. São os ignorantes com iniciativa que fazem produtos sem qualidade porque resolvem alterar processos definidos. Um ignorante com iniciativa é, portanto, um grande risco. Não precisamos dele. Nem Napoleão os queria.

            E sua empresa? Você identifica em sua empresa os quatro tipos de soldados de Napoleão? E o que faz com cada tipo? Você tem sabido se livrar dos ignorantes com iniciativa?

            Nós podemos ajudar na escolha do melhor soldado para sua empresa ou prepará-los melhor para enfrentar as batalhas do dia a dia.