perfil comportamental

A importância do perfil do candidato no processo de recrutamento

Tempo de leitura: 4 minutos

A seleção de novos colaboradores para uma vaga leva em consideração vários fatores, como, por exemplo, conhecimentos técnicos e experiência na área. Entretanto, muitas pessoas desconhecem a importância do perfil do candidato no processo de recrutamento. Cada vez mais empresas buscam conhecer melhor a personalidade dos profissionais antes de considerarem contratá-los. Assim, conseguem evitar muitas dores de cabeça no futuro próximo. Se você quer entender melhor essa história, você está no lugar certo!

Para facilitar sua leitura, organizamos o texto da seguinte forma:

  • Qual a importância do perfil do candidato no recrutamento?
  • Como definir o melhor perfil para a vaga na sua empresa?

Qual a importância do perfil do candidato no recrutamento?

Quando uma empresa abre um processo seletivo, o objetivo é encontrar a melhor pessoa para ocupar determinada vaga dentro da mesma. Para isso, estuda-se o perfil da vaga, buscam-se plataformas para divulgá-la e analisam-se todos os currículos que chegam. Ou seja, não é algo simples,nem rápido.

Ao considerar o perfil do candidato entre os muitos critérios a serem considerados na hora do recrutamento e seleção de novos talentos, você está pensando em mais garantia de que está escolhendo a pessoa certa. Não entendeu? Tudo bem, explicamos!

Com o desemprego em alta no Brasil, é normal que as pessoas se candidatem a todas as vagas que encontrarem, mesmo que não atendam aos pré-requisitos dela. Essas são mais fáceis de filtrar. No entanto, pessoas desesperadas por uma recolocação no mercado podem fazer o inverso: aplicar para vagas para as quais são muito qualificados. Os dois cenários podem apresentar problemas para a empresa caso sejam efetivados:

  • Um indivíduo pouco qualificado pode não conseguir executar as tarefas para as quais foi contratada. Nesse caso, a empresa não só teria um funcionário que não agrega ao time como continuaria com a mesma necessidade que a levou a abrir um processo seletivo!
  • Já uma pessoa qualificada demais poderia se frustrar com um cargo em que teria menos responsabilidades e, consequentemente, receberia menos pelo seu trabalho. Ela poderia deixar a empresa devido à sua insatisfação e, então, seria preciso recomeçar o recrutamento.

A empresa deve reter os profissionais corretos e, para isso, é necessário um processo de recrutamento detalhista e cuidadoso, que leve em consideração mais do que o currículo de um candidato.

Como definir o melhor perfil para a vaga na sua empresa?

Pensar no perfil do colaborador – e se ele se adéqua ao perfil da vaga – é uma forma de garantir uma contratação eficiente. O primeiro passo, claro, é pensar no tipo de profissional que seria necessário para suprir a sua demanda atual. Então, considere:

  • Qual deveria ser sua área de formação;
  • Quantos anos de experiência ele ou ela deveria ter;
  • Quais as funções pelas quais a pessoa será responsável?
  • Quais habilidades ou conhecimentos seriam um diferencial?
  • O que seria considerado o pré-requisito mínimo para os candidatos?

Se você já consegue responder a essas perguntas sem grandes dificuldades, você já está preparado para divulgar a vaga. Como mencionamos anteriormente, você vai encontrar pessoas que vão tentar a sorte nessa etapa. Pode ser que uma ou outra chame sua atenção, mas se isso não ocorrer e/ou elas não atenderem ao perfil que você construiu na sua cabeça, priorize os candidatos mais compatíveis.

Quando já tiver um número menor de candidatos em suas mãos, analise-os com mais cuidado antes de selecionar aqueles que serão entrevistados. Não pense mais nas informações “nuas e cruas”, mas sim na história que elas te contam. Ou seja, questione-se, por exemplo, sobre:

  • O salário. Como se compara ao que vocês estão oferecendo? Se for menos, essa pessoa ficaria satisfeita em longo prazo recebendo a quantia Y ou ela desistiria da empresa em pouco tempo?
  • A qualificação. Se a pessoa for muito qualificada para o trabalho, ela ficaria feliz em uma função mais operacional ao invés de uma mais administrativa? Se ela não for qualificada o suficiente, você está disposto a ensiná-la ou seria perda de tempo?
  • O tempo. Se um candidato ficou pouco tempo nas empresas em que trabalhou, tente encontrar motivos na trajetória dela (uma pós-graduação, um curso no exterior, etc.) para entender a situação. Caso tenha aspirações de morar em outro país, por exemplo, pode ser que você perca seu funcionário pouco depois de contratá-lo.

Na entrevista, você pode encontrar ainda mais peças para te ajudar a montar o quebra-cabeça que é o perfil do candidato. Dessa forma, busque descobrir…

  • Se o candidato compartilha da missão e dos valores da empresa, evitando, assim, aumentar o turnover dentro da mesma;
  • Qual é o estilo de trabalho do possível colaborador. Afinal, existe uma diferença bem grande entre profissionais com baixo e alto nível de comunicação, e o tipo de ambientes em que eles florescem;
  • Como o candidato se sente trabalhando com uma equipe de perfil X, Y ou Z de modo que você pode ver, com antecedência, se ela se adequaria ou não ao grupo na sua empresa;

Ainda está em dúvida sobre o perfil de profissional que está procurando? Olhe para os seus funcionários atuais. Saiba quem são os melhores colaboradores e entenda quais os traços que os tornam tão bons no que fazem, e na hora de buscar novos talentos, inspire-se neles! Assim, o processo seletivo certamente será muito mais fácil para você e sua equipe de RH.

Esperamos que este artigo tenha esclarecido algumas questões para você! Se você achou tudo isso trabalhoso demais – o que é compreensível, pois encontrar bons profissionais é difícil mesmo! –, entre em contato conosco, da Habittus – Gente e Gestão, para que possamos auxiliá-lo no que for possível, desde dúvidas sobre nossos serviços até questionamentos sobre processos seletivos, perfis de vagas e de profissionais, etc.