image-from-rawpixel-id-1219101-jpeg

É por isso que você não foi chamado de volta após a entrevista

Tempo de leitura: 4 minutos

Luisa Reis  é uma das mentoras da Consultoria Habittus Gente & Gestão. Você pode reservar uma sessão de aconselhamento/ mentoria de 50 minutos com ela antes de sua próxima entrevista de emprego para obter aconselhamento personalizado.

Entrevista de emprego é uma das últimas coisas que as pessoas querem fazer na vida.

Mas é um mal necessário. Se você já participou de várias rodadas de entrevistas sem receber aquela chamada de volta, pode estar cometendo um desses erros.

ERRO 1: USANDO PALAVRAS VAGAS…

Termos como: Hum, tipo, então, você sabe, na verdade, apenas …

Essas palavras inocentes vão detonar a sua entrevista. As pessoas tendem a usar palavras vagas quando estão nervosas, o que é natural durante uma entrevista de emprego. Mas um gerente de contratação precisa ter certeza que você está confiante e articulado, especialmente se estiver procurando por um emprego em um setor como vendas, relações públicas, recrutamento, consultoria ou ensino, onde as habilidades de comunicação são essenciais. Mas mesmo se você não estiver em uma dessas áreas, ainda precisa ser capaz de falar com seus colegas de trabalho e superiores da forma adequada.

Como corrigir: Pratique, pratique e pratique!

Antes da entrevista, faça um teste, com a ajuda de um amigo ou gravando você mesmo. Você pode se envergonhar ao rever o vídeo, mas ouvir com que frequência as palavras vagas que se repetem vai te ajudar a excluí-las de forma consciente do seu vocabulário. Recomendo praticar suas respostas várias vezes antes do dia da entrevista. 

ERRO 2: FALAR MUITO RÁPIDO

Durante as entrevistas, os candidatos tendem a falar rapidamente. Na verdade, isso é um eufemismo. Muitos vão tentar explicar todas as suas experiências e realizações de uma só vez. O que eles não percebem é que falar a mil por hora torna difícil para recrutador realmente ouvir e entender cada palavra. Limite seu tempo de resposta em 2 minutos para cada pergunta feita pelo entrevistador.

Como corrigir: Faça pausas controladas

Pode parecer estranho, mas é recomendável fazer uma pausa para organizar seus pensamentos durante as entrevistas. Frequentemente, os candidatos pensam que uma pausa mostra fraqueza. O entrevistador não concorda. Eles entendem que você está confiante o suficiente para parar e pensar sobre a questão antes de entregar uma resposta bem estruturada, pensada e coerente.

ERRO 3: FALAR MAL DE EMPREGOS ANTERIORES

Embora possa parecer óbvio, é necessário manter uma atitude positiva ao falar sobre sua experiência anterior. Alguns candidatos deslizam quando um recrutador começa a pressionar. É função dele chegar à raiz da sua experiência, entender por que você deixou seus antigos empregos e descobrir se há algum sinal de alerta em seu histórico, então prepare-se para as perguntas difíceis. 

Como corrigir: Siga o ditado – se você não consegue dizer nada de bom …melhor não dizer nada!

Nunca, e quero dizer nunca, faça um comentário depreciativo sobre sua antiga empresa, chefe ou colegas de trabalho. Perceba que os recrutadores podem tentar descontrair a conversa ao perguntar sobre seu ambiente de trabalho anterior para criar um “ambiente seguro”. O objetivo é conhecê-lo, mas eles também estão avaliando cuidadosamente como você responde em um contexto menos formal. Não caia nessa: evite a tentação de desabafar (você tem amigos para isso) e concentre-se nas lições que aprendeu, vinculando-as a vaga para o qual está sendo entrevistado.

ERRO 4: MOSTRAR INTERESSE SOMENTE EM SALÁRIO E BENEFÍCIOS (antes da hora)

Se você mencionar o salário ou pacote de benefícios nos primeiros minutos, é seguro presumir que você não receberá uma resposta . Você precisa mostrar que está mais interessado na empresa e no cargo e não apenas nos benefícios oferecidos. Faça perguntas ponderadas sobre a vaga, produto ou serviço e mostre o que você pode agregar caso seja contratado. Isso ajuda o entrevistador a ver se você realmente vale os R$ 2.000 ou R$ 5.000 adicionais, por exemplo.

Como corrigir: durante a primeira rodada da seleção, mostre seu valor e interesse genuíno pela empresa

Durante a primeira rodada, você está lá para aprender o máximo possível sobre a vaga e, principalmente, se vender. Não é hora de falar de salário ou pacote de remuneração. Na verdade, deixá-lo de fora vai melhorar seu poder de negociação mais tarde. Por quê? Depois de aprender mais sobre a empresa e a função, você terá tempo para pesquisar e garantir a melhor oferta.

ERRO 5: NÃO SE PREPARAR PARA A ENTREVISTA

Se você está se preparando para uma entrevista, já deve saber tudo o que importa sobre a empresa. Isso garante que você terá uma conversa de alto nível com o recrutador. Se você não conhece a vaga e histórico da empresa, como pode se vender como o melhor candidato? Você também vai perder a oportunidade de fazer as perguntas que não pode simplesmente pesquisar no Google.

Como corrigir: Faça o dever de casa e pesquise

Siga a empresa no LinkedIn e acompanhe em todas as redes sociais também. Aprender sobre seus novos produtos e iniciativas lhe dará uma boa ideia sobre o perfil da empresa. Verifique também o site para entender a linguagem que eles usam e tente elaborar as respostas da entrevista em um estilo semelhante. Ao falar a língua deles, você cria uma conexão com a marca empregadora e vai demonstrar que se encaixa bem na cultura deles.


ERRO 6: MANTER O CELULAR LIGADO

Manter o telefone ligado sinaliza para a pessoa do outro lado da mesa que sua entrevista não é sua prioridade. Grande problema. Você precisa estar 100% presente. 

Como corrigir: comporte-se como se estivesse em um cinema

Coloque-o no modo silencioso (não no modo de vibração, o que distrai) e coloque-o na bolsa ou bolso. Faça isso antes mesmo de entrar na área da recepção para que você possa se concentrar totalmente em cumprimentar todos na equipe (incluindo os recepcionistas). E mantenha-o escondido até sair da empresa. Já ouvi muitos candidatos a entrevistas de emprego ligarem para sua mãe / namorado / melhor amigo logo após uma entrevista para desabafar ou reclamar. Lembre-se de que você nunca sabe quem mais pode estar no elevador com você. Além disso, sair com a cabeça erguida faz com que você pareça calmo e controlado. Guarde essa ligação até que você esteja na privacidade da sua casa – ou pelo menos a um quarteirão do escritório.

Siga essas dicas e arrase em sua próxima entrevista!

Sucesso.

image-from-rawpixel-id-414248-jpeg

Marketing Pessoal: O segredo para construir uma imagem de sucesso

Tempo de leitura: 5 minutos

Já pesquisou seu nome no Google? O que você encontraria?

Você pode se surpreender com o resultado – fotos antigas de você com seus amigos em festas, imagens de perfil de empregos antigos, ou talvez outras pessoas com o mesmo nome ocupem esse precioso espaço de pesquisa, deixando você aparecer lá na página três (o que é péssimo!).

Embora a maioria das pessoas possa achar isso engraçado, você sabia que o resultado desse tipo de busca pode realmente impactar no seu marketing pessoal? Seja para o seu próprio negócio ou para a empresa em que trabalha.

Bem-vindo ao novo mundo da marca pessoal, onde seu posicionamento em redes sociais pode arruinar suas chances de garantir os clientes certos para o seu negócio ou ser percebidos da maneira certa por um potencial empregador.

TEM UM NOME? UM ROSTO? UMA IDENTIDADE? VOCÊ TEM UMA MARCA PESSOAL

Antigamente, havia uma separação clara entre o trabalho e vida pessoal. Mas com o crescimento da internet e das mídias sociais, essa grande divisão entre trabalho e vida foi deixando de existir. E hoje, as empresas e empregadores de fato estão usando isso a seu favor.

Quer você goste ou não, você tem uma marca pessoal.

Essa é provavelmente a parte mais dura da realidade que compartilharemos neste artigo. Prometemos passar o resto do tempo dizendo o que você pode fazer para melhorar o seu marketing pessoal.

O que é MARCA PESSOAL?

De acordo com o Personal Brand.com , uma marca pessoal é definida como uma percepção ou impressão amplamente reconhecida e amplamente uniforme de um indivíduo. Isso se baseia em sua experiência, conhecimento, competências, ações e realizações em uma comunidade, indústria ou mercado.

Você retrata sua marca pessoal através da maneira como é mostrado digitalmente, da maneira como se comporta no trabalho, dos eventos de rede em que participa, das causas pelas quais está interessado, do trabalho que produz por exemplo. O marketing pessoal está diretamente ligado a sua reputação e também com a avaliação que as outras pessoas farão de você.

O marketing pessoal acontece quando as habilidades e qualificações são utilizadas para alavancar a carreira, promovendo uma marca pessoal.

Veja na internet qual conteúdo está disponível em relação ao seu nome. Quais fotos, sites, histórias estão vinculadas ao seu nome?

Se alguém tivesse que usar três palavras para descrevê-lo, o que você esperaria que fosse?

Mais importante, você está mostrando ao mundo a percepção que você gostaria de quem você é?

Mas afinal para que serve o Marketing Pessoal?

Para quem busca um destaque no mercado de trabalho;

Ajuda na conquista do primeiro emprego;

É indicado para aqueles que buscam mudar de posição ou atingir objetivos específicos em sua carreira/emprego atual.

 09 dicas para construir seu marketing pessoal

1 – Tenha um objetivo definido

A primeira etapa é definir o objetivo desejado, por exemplo, conquistar uma promoção. A partir disso, elabore as ações necessárias para atingir essa meta. Faça pesquisas com outras pessoas que já atingiram esse resultado ou algo semelhante e entenda o que é preciso em termos de qualificação ou experiencia específica.

 2- Aprimore suas habilidades de comunicação

Uma boa comunicação é necessária para qualquer objetivo definido. Fale corretamente no ambiente de trabalho ou durante uma entrevista de emprego e, principalmente de forma clara, sem gírias. Tenha domínio dos termos técnicos da sua área de atuação e utilize-os corretamente em sua fala. Na comunicação escrita, utilize corretores de textos ou ferramentas online para te auxiliar e evitar o envio de mensagens com erros imperdoáveis de ortografia. Eu diria que a comunicação é a parte mais importante do marketing pessoal e é justamente nesse quesito que muitas pessoas pecam.

3- Cuide das suas competências técnicas e comportamentais

Para conquistar um emprego, nova posição, promoção etc, é preciso que você tenha uma boa qualificação. Existem inúmeros cursos disponíveis na internet, muitos gratuitos. É fundamental investir em cursos específicos da sua área de atuação e estar atento as novas tecnologias em geral. O mercado está cada vez mais competitivo e além de conhecimento técnico sólido, para se destacar você precisa investir em habilidades comportamentais, tais como: comunicação, negociação, trabalho em equipe, disciplina por exemplo. Um programa de coaching pode ajudá-lo nesse sentido.

 4 – Seja cuidadoso com o seu visual

 Você não precisa investir em roupas caras mas, sim cuidar da aparência e da higiene. Veja se sua área de atuação ou ambiente de trabalho tem um dress code (código de vestimenta) padrão. Por exemplo, em carreiras mais tradicionais como Direito, os profissionais costumam usar traje social. Já em empresas de tecnologia, o que vale é o casual. 

5-  Seja uma pessoal agradável

Ser prestativo e educado com as pessoas são modos de ser lembrado e de trabalhar o seu marketing pessoal. Busque a empatia pois, ela poderá ajuda-lo a entender melhor as pessoas e a ter novas ideias para a resolução de problemas.

6 – Resolva problemas

As empresas buscam profissionais que sejam criativos e tenham habilidade para resolver problemas. Ao constatar que algum processo pode ser melhorado, elabore uma boa argumentação (comunicação) e apresente ao seu superior. Ajude seus colegas a resolverem problemas rotineiros. Exercite ao máximo essa habilidade e se destaque por entregar valor a empresa. Essa atitude pode te levar para o próximo nível na carreira.

7 – Cuida das suas redes sociais

 O que seu Instagram, Facebook ou Linkedin falam sobre você?

O marketing pessoal está diretamente ligado a imagem online que temos. Os recrutadores, líderes e colegas de trabalho certamente verificam os perfis dos candidatos nas mídias sociais. Tenha cuidado com o tipo de postagem que você fará. Evite discussões sobre temas polarizados como política por exemplo, já pensou que você perder um emprego ou até um cliente por terem visões opostas sobre um assunto polêmico?

O LinkedIn é uma das formas mais importantes de mídia social para o marketing de si ou de sua marca, se você a estiver usando para fins de crescimento em sua carreira ou negócio. Ele permite que você compartilhe conteúdo digital relevante para sua marca ou empresa e fornece uma plataforma para conectar-se e interagir com empreendedores com ideias semelhantes.

Embora outros sites sociais como o Facebook e o Instagram sejam importantes, o LinkedIn é seu novo melhor amigo para a marca pessoal.

De acordo com o empreendedor.com , 85% dos recrutadores e profissionais de RH dizem que a reputação de um funcionário on-line influencia suas decisões de contratação em algum grau. O mesmo pode ser dito para clientes e colaboradores em potencial

Utilize esse espaço para compartilhar conteúdos que sejam interessantes para a sua área de atuação. Deixe as mídias sociais falarem bem de você.

8 – Seja responsável com prazos

Parece óbvio, mas muitos profissionais acabam pecando por falta de comprometimento com horário, prazos de tarefas que precisam ser entregues, por exemplo. Mostre que você está comprometido com os objetivos da empresa e com as atribuições atuais, com isso novas responsabilidades podem ser direcionadas a você. 

 9 – Faça networking estratégico

A sua rede de relacionamentos tem grande importância para a via profissional e é fundamental para que seu marketing mostre resultados. Tenha contato com pessoas da sua área ou área que você gostaria de trabalhar. Participe de eventos, cursos e seminários e ajude sua rede sempre que possível. Assim você será lembrado e indicado para futuras oportunidades.

 Então, pronto para construir uma imagem de sucesso?

Abraços,

Business people rushing towards success

10 dicas para o planejamento de carreira em qualquer idade ou estágio de carreira

Tempo de leitura: 4 minutos

O planejamento de carreira deve ser feito com certa frequência, em média um profissional mudará de carreira de cinco a sete vezes durante a vida e por isso, o ideal é realizar o planejamento ao menos uma vez por ano.

Para atingir e manter o sucesso em um mercado de trabalho cada vez mais volátil é imprescindível um gerenciamento de carreira. As empresas buscam atrair, contratar e reter profissionais que ofereçam o melhor valor e que reúnam competências e habilidades alinhadas as exigências atuais.

Pense em você como um negócio com um produto ou serviço a venda e crie estratégias para comercializar seu valor no local de trabalho.

Aqui estão 10 etapas que você pode seguir agora para desenvolver um plano de carreira que o levará aonde você quer estar profissionalmente:

1. Mantenha o currículo atualizado

Um dos passos mais importantes no planejamento para o futuro de sua carreira é estar pronto para as oportunidades quando elas se apresentarem. Independentemente da sua área de atuação ou nível de carreira, aprender escrever um currículo e mantê-lo atualizado é um excelente exercício.

2. Faça do planejamento de carreira um evento regular

Reserve um dia ou final de semana pelo menos uma vez por ano e agende um horário para se concentrar verdadeiramente no que você quer da sua carreira. Para mim, o melhor momento para fazer isso é no final de dezembro, quando estamos nos aproximando do ano novo.

3. Reflita sobre seu plano de carreira atual e seu desempenho profissional no ano anterior

A reflexão aumenta a produtividade e o desempenho; logo, poupe um tempo para pensar sobre sua situação atual e o caminho que você deseja seguir. Você está feliz com sua carreira até agora? O que você poderia ter feito melhor ou de maneira diferente? O que você pode mudar no futuro? Quando você se entende e o que realmente deseja, é muito mais fácil criar um plano que atenda às suas metas e ao seu estilo de vida.

Você pode continuar experimentando o crescimento da carreira investindo no desenvolvimento  – por exemplo, você pode conversar com seu gerente sobre o trabalho de outros colaboradores em sua empresa para aprender sobre coisas diferentes ou participar de várias sessões de treinamento e workshops. Você pode explorar movimentos laterais para ampliar sua experiência ou encontrar um mentor em uma área diferente que você gostaria de conhecer.

4. Pense sobre o que você gosta, não gosta, precisa e deseja no trabalho

Nossos gostos e desgostos mudam ao longo do tempo, por isso é sempre uma boa ideia refletir sobre o que você sente de verdade em sua vida e carreira. Faça uma lista do que você gosta e não gosta no seu trabalho atualmente. Espero que você ainda goste de muitas das suas atividades de trabalho, mas se esse não for o caso, talvez seja hora de começar a considerar um novo emprego ou carreira.

Também é importante ter um propósito claro e significativo que você ache emocionalmente interessante. O que você realmente precisa do seu trabalho? Fazer a diferença? Para se tornar financeiramente independente?

5. Mantenha um registro de suas realizações

A maioria de nós não mantém um histórico de realizações de trabalho, no entanto, isso não é útil apenas para a construção de seu currículo, mas também para o planejamento de carreira. Aprender a acompanhar e escrever sobre suas realizações profissionais o ajudará ao trabalhar em direção ao seu próximo objetivo de carreira.

6. Identifique suas habilidades transferíveis

Talvez o seu cargo seja Analista de marketing, mas você tem uma enorme experiência em gerenciamento de projetos – habilidades que podem ser direcionadas a outros trabalhos. Pense além do seu cargo atual, considerando seus objetivos e como as habilidades que você tem agora seriam úteis para uma nova função. Faça uma lista de habilidades transferíveis relevantes para adicionar ao seu currículo.

Além disso, faça uma pesquisa sobre quais habilidades você precisa adquirir. Se seu objetivo é se tornar o Diretor de marketing, por exemplo, que experiência e habilidades você precisa adquirir no próximo ano ou nos próximos cinco anos para se qualificar para esse cargo? Em seguida, crie um plano para atingir seu objetivo de carreira a longo prazo.

7. Estabeleça metas de carreira

Embora você possa ter sucesso em sua carreira sem estabelecer metas, você pode ter ainda mais sucesso com a definição de metas Quais são suas metas de carreira de curto (dentro de um ano) e de longo prazo (dentro de cinco a 10 anos)? Sempre anote-as e compartilhe a lista com alguém. Isso ajudará você a criar um senso de responsabilidade.

Outra grande parte do planejamento de carreira é revisar e ajustar esses objetivos regularmente – e desenvolver novos objetivos assim que você atingir os objetivos anteriores. Portanto, sempre que você se sentar para uma sessão de planejamento de carreira, divida esta lista e revise-a.

8. Explorar novas oportunidades de aprendizado

Nunca perca a chance de aprender e crescer mais como profissional e indivíduo. Parte do planejamento de carreira é encontrar oportunidades de treinamento, cursos ou workshops que ajudarão você a avançar em sua carreira. Se sua empresa oferece oportunidades de desenvolvimento profissional, aproveite-as. Isso pode ser valioso para alcançar seus objetivos.

9. Aproveite e aprenda com os outros

Crie relacionamentos com líderes dentro e fora do seu trabalho, participe de conferências relacionadas a sua área e explore outros eventos. Quanto melhor sua rede, mais oportunidades você terá de aprender com outras pessoas que obtiveram sucesso. Para descobrir mais sobre outras opções de carreira possíveis, você pode realizar algumas reuniões informativas com colegas ou gerentes – as pessoas geralmente estão dispostas a compartilhar conselhos, se você perguntar.

10. Saia da sua zona de conforto

Uma das melhores maneiras de avançar em sua carreira é identificar e resolver um problema organizacional que sua empresa está enfrentando. Se você puder identificar um problema em sua organização, propor uma solução e implementá-lo, você não apenas aumentará sua visibilidade na organização, mas também expandirá suas habilidades no processo.

Dica extra: Pesquise outras oportunidades de crescimento na carreira

Uma parte divertida do planejamento de carreira é projetar sua carreira. Onde você estará daqui a um ano ou daqui a cinco anos? Embora seja impossível planejar tudo, é sempre uma boa ideia saber para onde você está indo e quais várias carreiras estão disponíveis para você.

À medida que os funcionários progridem em suas carreiras, menos empregos em níveis mais altos tornam-se disponíveis, mas continuar a aumentar suas habilidades e experiência ainda deve ser uma prioridade.

Você pode continuar experimentando o crescimento da carreira investindo no desenvolvimento de sua carreira – por exemplo, você pode conversar com seu gerente sobre o emprego de outros funcionários em sua empresa para aprender sobre trabalhos diferentes ou participar de várias sessões de treinamento e workshops. Você pode explorar movimentos laterais para ampliar sua experiência ou encontrar um mentor em um departamento diferente que você gostaria de explorar.

A revisão e o planejamento regulares o prepararão para o que está por vir em sua carreira. Dirija sua carreira deliberadamente, mas também esteja aberto à vida, surpreendendo-o com novas aventuras, mesmo que elas não correspondam exatamente ao destino que você tinha em mente.

image-from-rawpixel-id-269435-jpeg

3 maneiras de um currículo com escrita profissional oferecer uma vantagem competitiva

Tempo de leitura: 3 minutos

Esteja à frente da concorrência

Em média um anúncio de emprego recebe 250 aplicações, ou seja, 249 pessoas que você precisa ofuscar se quiser conseguir a vaga. Com essa alta competitividade, significa que seu currículo precisa estar acima dá média da concorrência para ser considerado um candidato em potencial. E como fazer isso?

Tudo começa pela primeira impressão: o seu currículo. Se você conseguir chamar a atenção de um empregador logo de cara, vai ficar na lista restrita deles quando chegar a hora de selecionar os perfis para a fase de entrevista. Além disso, sempre que eles revisarem seu currículo para as demais etapas continuarão impressionados com o que vêem.

Com tanta coisa em jogo, você não pode se dar ao luxo de errar, ou seja, um bom currículo não será suficiente; a maior parte da concorrência terá um bom currículo. Se você quiser levar a sua candidatura para o próximo nível, precisa de um documento com lapidação profissional e linguagem poderosa – algo que pode ser alcançado com especialistas, como redatores de currículos experientes. Aqui estão três maneiras pelas quais um currículo profissionalmente escrito pode oferecer a vantagem necessária para que você supere a concorrência.

Em muitos casos seu currículo passará pelo ATS

Você já parou para pensar que seu currículo pode nem chegar as mãos de um recrutador? Isso certamente diminui suas chances de conseguir uma vaga e ocorre devido aos sistemas de rastreamento de candidatos (ATS), que são um tipo de software que analisa os currículos e exclui os candidatos que considera menos aderentes a posição – apenas aqueles que são aprovados pelo sistemas são apresentados aos seres humanos, ou seja, chegam aos olhos do responsável pela seleção.

Superar o ATS é uma ciência; seu currículo precisa ser escrito e formatado para atender aos requisitos complexos envolvidos. Felizmente, os profissionais habilitados para redação de currículo estudaram e dominaram a técnica e podem garantir que seu currículo seja compatível com ATS, o que significa que ele passará pelo software de rastreamento enquanto sua concorrência ficará paralisada no ATS, seu nome estará sempre na mesa do recrutador, aumentando muito suas chances de conseguir um emprego.

A formatação adequada para valorizar seu perfil

A formatação do currículo é uma das maiores dúvidas e, embora a aparência do documento possa parecer um detalhe, ela pode realmente auxiliar ou reduzir suas chances durante um processo seletivo. Uma formatação ruim pode significar que informações importantes sejam perdidas e um recrutador ocupado não vai gastar tempo pesquisando. Talvez, suas valiosas experiências e habilidades sejam deixadas de lado.

Com frequência, a formatação do currículo sabota candidatos perfeitamente qualificados. Um currículo com escrita profissional, por outro lado, vai utilizar a formatação estratégica para orientar os olhos do empregador para suas principais competências e habilidades. Ele vai além, formatando não apenas para atender as exigências do mercado mas, também para enfatizar as qualidades que mais impressionam os recrutadores.

Você vai focar em outras etapas para a busca de emprego

A busca por emprego não consiste apenas na elaboração do seu currículo; também pode incluir cartas de apresentação, entrevistas por telefone, criação de presença online, como o Linkedin por exemplo. Seguramente, é verdade que procurar emprego é um trabalho de período integral.

Um currículo com escrita profissional oferece mais do que um documento, também oferece algo inestimável: tempo. Ao enviar seu currículo para profissionais, você terá horas que, de outra forma, passaria na tela do computador lutando com Microsoft Word. Em seguida, você pode investir esse tempo aprimorando sua pesquisa por vagas, expandir sua rede e praticar/simular uma entrevista ou trabalhar com um coach de carreira, buscando conexões que possam encaminhá-lo (a) para vagas adequadas.

A busca por emprego é competitiva,  com tantos candidatos disputando uma única posição, sua única opção é se destacar, não tem como escapar e, com a ajuda de um redator profissional, você fará exatamente isso. 

Para saber mais sobre esse serviço, envie um e-mail para [email protected]

Até a próxima!

imagem_artigo_napole_I1MCG

O que podemos aprender com Napoleão Bonaparte sobre contratação de funcionários?

Tempo de leitura: 3 minutos

Napoleão Bonaparte, francês, líder político e militar, pai do código Napoleônico que teve grande influência na legislação de vários países e responsável por estabelecer a hegemonia francesa sobre a maior parte da Europa tem muito a ensinar a você empresário, ao menos no quesito funcionário ou no caso dele, soldado.

A busca por bons funcionários em qualquer segmento é a realidade do nosso mercado de trabalho. Em um universo frequentemente mutável, é inevitável que pessoas e processos sejam constantemente testadas a desempenhar sua melhor performance.

Se seus funcionários e gerentes não se preparam para tal, é possível que em breve você também será forçado a “sair à rua” para buscar outro profissional.

É mais comum do que se imagina um “time de vendas” na segunda metade do mês estar longe de alcançar a meta estabelecida.  Neste período a pressão para entrega do resultado sobe, aumentam-se as horas extras, a produtividade e qualidade do trabalho caem e o desgaste físico e emocional superam os “limites humanos”.

E quando termina o mês sem a meta alcançada, veem a frustração e o desânimo. A equipe tenta passar uma borracha no mês passado e seguir adiante, buscando “ganhar” o que foi perdido no mês anterior. 

Correto?

Não!

Se lá atrás, na contratação do seu funcionário tivesse sido feita de forma mais assertiva e com a ajuda de um profissional da área, o resultado no fim do mês poderia ter sido diferente.

Se a seleção do novo colaborador tivesse sido focada no cargo/ função a ser desempenhada talvez seus resultados seriam melhores.

Voltemos ao Grande Napoleão Bonaparte.

Como um dos maiores líderes mundiais Napoleão, tinha a visão detalhada e bem definida das posições e funções que seus soldados (subordinados) deveriam desempenhar.  Como o comandante máximo do exército francês, soube escolher minuciosamente seus soldados?

Como?

Napoleão baseava-se em 4 pilares.

O primeiro pilar eram os inteligentes com iniciativa;

O segundo, os inteligentes sem iniciativa;

Os ignorantes sem iniciativa formam o terceiro pilar;

E os ignorantes com iniciativa completavam o quarto.

Aos inteligentes com iniciativa, Napoleão dava as funções de comandantes gerais, estrategistas. Os inteligentes sem iniciativa ficavam como oficiais que recebiam ordens superiores e as cumpriam com diligência. Os ignorantes sem iniciativa eram colocados à frente da batalha – buchas de canhão, como dizemos.  Os ignorantes com iniciativa, Napoleão odiava e não queria em seus exércitos.

Pense bem.

Um exército só de generais estrategistas por certo não vencerá batalha alguma.

Alguém tem que estar no front.

Obedientes oficiais (diretores, gerentes) sem estratégia também não venceriam uma guerra.

Soldados (funcionários) dedicados, sem comando, sem chefia, sem direcionamento, também não trazem sucesso à batalha.

Portanto, precisamos dos três tipos de soldados para vencer uma batalha, assim como dos três tipos de colaboradores para que possamos vencer os desafios do mercado competitivo em que vivemos.

Essa grande sabedoria de Napoleão serve também para a nossa empresa.

Será que temos em nosso “exército napoleônico”, que é a empresa de hoje, esses três tipos de “soldados”?  E não serão todos necessários?

Mas, assim como Napoleão, devemos nos livrar, o mais rapidamente possível, dos ignorantes com iniciativa. Um ignorante com iniciativa é capaz de fazer besteiras enormes. Um ignorante com iniciativa faz o que não deve, fala o que não deve e até ouve o que não deve. Um ignorante com iniciativa nos faz perder bons clientes, bons fornecedores. São os ignorantes com iniciativa que fazem produtos sem qualidade porque resolvem alterar processos definidos. Um ignorante com iniciativa é, portanto, um grande risco. Não precisamos dele. Nem Napoleão os queria.

E sua empresa? Você identifica em sua empresa os quatro tipos de soldados de Napoleão? E o que faz com cada tipo? Você tem sabido se livrar dos ignorantes com iniciativa?

Nós podemos ajudar na escolha do melhor soldado para sua empresa ou prepará-los melhor para enfrentar as batalhas do dia a dia.

Fabio Kobayashi
Gerente Comercial na Habittus Gente & Gestão
[TheChamp-Sharing total_shares="ON"]